Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 20 de dezembro de 2008

A vida em Curva de Gauss nos bons e nos maus momentos

Querida,
Penso que a contrariedade em curva de Gauss é um destes ingredientes da vida vivida...
Talvez seja este o preço que se paga por não atalhar a frustração...
Partindo de um solo um pouco menos onipotente, quando deparamos com o desgosto o aceitamos como realidade e só então iniciamos do zero a análise do território.
Como seria possível ter precisão aguda da queixa antes de adentrar com a alma o terreno??? Quase que vivê-lo um pouco...?
Três textos surgiram na minha cabeça a respeito disso agora.. hehe...
Por vezes basta um inclinar de corpo para reconhecer cenários já percorridos e assim ter oportunidade de usar ferramentas internas...
Por outras precisa-se trilhar um bom pedaço da estrada para no final sair com "apenas" uma ferramenta nova...
Mas existem aquelas em que a careta se desfaz no segundo passo e nas quais ganhamos a chance de experimentar toda uma gama inexplorada de nós...

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Saída pela loucura

Vejo uma pureza aguda e, por isso linda, em ter a oportunidade do contanto com alguém em surto psicótico. Me sinto conectada com aquela pessoa que não está ali. Os rápido flashes de contato com a realidade e o exato momento em que desconectam, quase um mapa do que é possível - no limite do que não é mais. A inaceptabilidade do banal. O banal não conversa com a pessoa que não está ali. A verdade interessa; o carinho - se de fato - ou uma interação presente traz de volta, só um pouquinho, por alguns instantes.
É uma caricatura grotesca de como se vive e de como pode-se viver a vida do jeito que importa.

domingo, 2 de novembro de 2008

Way Beyond Empty

If I could I surely would
Child ease your pain
But if I could no longer
Would you still know my name?



If I couldn't drain the tears
That pour from these eyes
Would you turn your back on me
Would you wave goodbye?

Or leave me way beyond empty inside
Awaiting my last day to arive
Way beyond empty inside
Awaiting my end to arrive

If I couldn't be the shoulder
Which your head would rest upon
Would you still be waiting
Or would you be gone?
If I couldn't keep the smile
Forever on your face
Would I still be around
Or would I be replaced?

Way beyond empty inside
Awaiting my last day to arrive
Way beyond empty inside
Awaiting my end to arrive

(And) Would you promise me
Things they'd never change
Could you promise me
That things they'd stay the same?

If I couldn't clear the clouds
From over your head
Would you keep your word to me
Amongst all the things you said?

Or leave me way beyond empty inside
Awaiting my last day to arive
Way beyond empty inside
Awaiting my end to arrive

Crazy



I remember when, I remember, I remember when I lost my mind
There was something so pleasant about that place.
Even your emotions had an echo
In so much space

And when you're out there
Without care,
Yeah, I was out of touch
But it wasn't because I didn't know enough
I just knew too much

Does that make me crazy?
Does that make me crazy?
Does that make me crazy?
probably

And I hope that you are having the time of your life
But think twice, that's my only advice

Come on now, who do you, who do you, who do you, who do you think you are,
Ha ha ha bless your soul
You really think you're in control


Well, I think you're crazy
I think you're crazy
I think you're crazy
Just like me

My heroes had the heart to lose their lives out on a limb
And all I remember is thinking, I want to be like them
Ever since I was little, ever since I was little it looked like fun
And it's no coincidence I've come
And I can die when I'm done

Maybe I'm crazy
Maybe you're crazy
Maybe we're crazy
Probably

sábado, 1 de novembro de 2008

My Way

And now the end is near
And so I face the final curtain
My friend, I'll say it clear
I'll state my case of which I'm certain

I've lived a life that's full
I traveled each and every highway
And more, much more than this
I did it my way

Regrets, I've had a few
But then again, too few to mention
I did what I had to do
And saw it through without exemption

I've planned each charted course
Each careful step along the byway
And more, much more than this
I did it my way

Yes there were times, I'm sure you knew
When I bit off more than I could chew
But through it all when there was doubt
I ate it up and spit it out

I faced it all and I stood tall
And did it my way

I've loved, I've laughed and cried
I've had my fill, my share of losing
And now as tears subside
I find it all so amusing

To think I did all that
And may I say, not in a shy way
Oh no, oh no, not me
I did it my way

For what is a man, what has he got?
If not himself, than he has naugth
To say the things he truly feels
And not the words of one who kneels

The record shows, I took the blows
And did it my way

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

The More Loving One

"Looking up at the stars, I know quite well
That, for all they care, I can go to hell,
But on earth indifference is the least
We have to dread from man or beast.

How should we like it were stars to burn
With a passion for us we could not return?
If equal affection cannot be,
Let the more loving one be me.

Admirer as I think I am
Of stars that do not give a damn,
I cannot, now I see them, say
I missed one terribly all day.

Were all stars to disappear or die,
I should learn to look at an empty sky
And feel its total dark sublime,
Though this might take me a little time."

-- W. H. Auden

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

'Cause I´m walking down this road alone

Texto da Cin

A idéia do blog desde o começo foi reunir textos interessantes...
Então roubo pra cá estes 'versos teus tão meus'... : )


"Viver vale mais que Ser Feliz
Ei, se é dentro dela assim que bate
Não encare como ruim só porque é triste
Que é bem ela se entristecer
De outro modo não viveria.

Ei, não se abale que ela não ameaça
Chora, apenas, que não há dizer pra isso tudo
Não tem palavra, dizer pra quê?
Chora, apenas, tudo bem.

Ei, ela nasceu sozinha e assim vai morrer
Não tem nada de mais: é só paixão
Dói que quase rasga, quase mata, quase-quase
Mas é assim que se alimenta o viver.

Ei, adivinha?
A palavra de se não dizer
Morre dentro do negro da boca
Lá não tem estrela, nem lua, mas é céu
Um negrume só. De se perder.
Então, ela chora, que verte água do olho, é natural
Natural em casos como esse dela

Ei, esse não é seu caso, ela sabe
É o acaso de ser o dela.

Ei, não se cobre, que o choro pode ser a anti-expectativa
O antídoto,
O antidopping - o que prova que ela está (vi)vendo."
Cínthya Verri

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Laços - R.D. Laing

There is something I don't know
that I am supposed to know.
I don't know what it is I don't know,
and yet I am supposed to know,
and I feel I look stupid
if I seem both not to know it
and not to know what it is I don't know.
Therefore I pretend I know it.
This is nerve-wracking
since I don't know what I must pretend to know.
Therefore I pretend to know everything.
I feel you know what I am supposed to know
but you can't tell me what it is
because you don't know that I don't know what it is.
You may know what I don't know, but not
that I don't know it,
and I can't tell you.
So you will have to tell me everything.

Laços - R.D. Laing

"Eles estão jogando o jogo deles.
Eles estão jogando de não jogar um jogo.
Se eu lhes mostrar que os vejo tal qual eles estão,
quebrarei as regras do jogo
e receberei sua punição.
O que devo, pois, é jogar o jogo deles,
o jogo de não ver o jogo que eles jogam."


Quero quero quero comprar este livro!!!

domingo, 10 de agosto de 2008

Dia dos Pais!

Um amor que faz tão bem que os filhos um dia querem ter filhos também...



...Amigo velho, eu queria falar,
Meu velho amigo foi tão bom te encontrar...
Amigo velho, eu te amo demais
Meu velho amigo, todo dia é dos pais...

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Coisas do pensamento...

Tem uma garotinha de chuca dentro de um enorme sobretudo preto
Convidaram-na a dançar, ela ergueu os olhos
Numa expressão "você pode me ver?"
Alcançaram-na uma macia escova de cabelos
E ela tenta despegar o eslático antigo, apertado a tanto tempo
Sente o couro cabeludo farfalhar por estar sendo mexido
E o Sobretudo, por horas robe, boneca de pano ou personagem de TV pensa
(É ele pensa também)
E pode? Assim... me transpassar e ir instrumentando aquela ínfima boneca?
Era dela que todos falavam?
Então imagino a garotinha alcançando a terra úmida com os pés nús e sentindo a argila por entre os dedos
E ela pensa coisas de um jeito diferente
Pensa com uma simplicidade que parece boba...
Nada teatral. Não faria sucesso em broadway, em séries da warner
Ou faria; já não importa tanto.

domingo, 8 de junho de 2008

ABOUT STANDING UP FOR YOURSELF - OR LEARNING BY EXAMPLE

RORY IS NOT HOME

- Let`s just try to be calm until we know what happend.

- What do you mean “until we know what happend”? We know what happend!

- No we don`t!

- They were out all night!

- I`m gonna make some coffe.

- Lorelai Gilmore I`ve watched you do a lot of stupid things in your life and I`ve held my tongue...

- (risos) You`ve what??

- But I will not stand by and watch you let that girl to ruin her life!

- Mom..., back off!

- She spent the night out with that boy – the one you let her run off to that dance with.

- Mom, so help me God, I will not get into this with you.

- She`s doing the same thing you did.

- No she`s not.

- She`s going to get pregnant.

- No she`s not.

- She`s going to ruin everything, just like you ruinned everything.

- No she`s not, No she`s not, No she`s not!!! Rory is a good kid mom, she`s not me!

- What kind of mother are you to aloud this to happen to her?

- Oh, I don`t know mom, What kind of mother were you??

- You`re gonna lose her. You`re gonna lose her, just like I lost you.

- I am not gonna lose her, do you hear me? Even if I haven`t gotten pregnant you still would have lost me. I had nothing in that house, I had no life, I had no air. You strangled me. I do not strangle Rory.

- Oh, you´re so perfect and I was so horrible... I put you in good schools; I gave you the best of everything; I made sure you have the finest opportunities. And I am so tired of hearing about how you were suffocated and I was so controlling. Well, if I was so controlling, why couldn`t I control you running around, getting pregnant and throwing your life away??

- Get out !!!

- What?

- You will not come into my house and tell me I threw my life away! Look around mom, this is a life. It has a little collor in it so it may look a little unfamiliar to you, but it´s a life. And if a haven`t gotten pregnant I wouldn`t have Rory.

- You know that`s not what I meant.

- Maybe I was some horrible uncontrollable child like you say. But Rory isn`t. She`s smart and carefull, and I trust her, and she`s gonna be fine. And if you can`t accept that or belive it, then I dont want you in this house.

(Emily leaves... Rory comes in)

(Rory) – Mom, thank you for saying all thouse...

(Lorelai) – What were you thinking staying out all night? Are you insane?

- I`m sorry. It was an accident.

- You`re talking to the queen of staying out all night, I invented the concept. This is no accident, you can`t do this. Period.

- Nothing happend!

- Do you have any ideia what is like to wake up with my mother here and find out that you never came home?

- So all this is about grandma being here?!

- No is about the feeling of complete terror when your kid isn`t in her bed in the morning.

- I`m sorry.

- And then is about a different kind of terror when you find out she spent the night with some guy.

- Mom, I didn`t spend the night with him; we fell asleep!

- You are going on the pill.

- What??

- You are not getting pregnant!

- I am not sleeping with Dean!

- Damm it!

- What happend to all that stuff you said to grandma? What happend to trusting me? Were did all that go??

- Well, I think is back in Patty`s yoga matts.

- This is crap! You know I didn`t do anything. You know this was an accident. You`re just mad because I screw up, that I did it in front of grandma and that she naild you for it. Oh, I´m sorry! I`m sorry that I screwed up and I am sorry you got yeld at. But I didn´t do anything, and you know it!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

AA - eles são ótimos!

"Estou aqui porque finalmente não dá mais para me refugiar de mim mesmo.
Até que me confronte nos olhos e no coração de meu semelhante estarei fugindo.
Até que sofra o partilhar dos meus segredos não me libertarei deles.
Temeroso de ser conhecido não poderei me conhecer,
nem aos outros,
estarei só.
Onde senão em meus companheiros poderei encontrar esse espelho?
Aqui, juntos, posso finalmente conhecer-me por inteiro.
Não como o gigante que sonho ser,
Nem tão pouco o anão de meus temores.
Mas como alguém, parte de um todo, compartilhando seus propósitos.
Neste solo poderei criar raízes e crescer.
Não mais isolado como na morte, mas vivo para mim e para os outros.
Uno minha mão à tua, meu coração ao teu, para que juntos possamos fazer aquilo que sozinho não consigo."

domingo, 13 de abril de 2008

Chora, briga, ri e anda...

Título em andamento!

Por enquanto é apenas uma observação apuradíssima de uma garotinha de oito anos sobre a vida... (linda!).

Uma querida amiga me apontou que fazia tempo que não escrevia nada e cá estou.
Com um nó na garganta que ainda não se apresentou adequadamente para o meu entendimento, mas não importa. Acho sempre gostoso a sensação do nó na garganta.
Nó na garganta é geralmente uma prévia de uma sensação intensa. Ele me acompanha sempre que me emociono com alguma coisa, interna ou externa...
Músicas, filmes, alguns livros, pensamentos, insights, amor, medo, felicidade, um telefonema, uma folga, um emprego, uma jornada, uma conversa... os importantes momentos da minha vida vêm de mãos dadas com o nó.
O nó aparece quando dá uma vontade incontrolável de sorrir e ao mesmo tempo os olhos estão marejando... tem uma sensação gostosa no peito (que muita gente odeia!) que nos dá certeza de que é agente e ninguém mais que está vivendo aquilo.
O nó une corpo, mente e ambiente.

É como uma corrente emaranhada que precisa mexer e mexer para se desenredar...
Faço uma dissecção anamnética do nó.
Por que agora? O que foi que aconteceu a pouco que me tocou, que mexeu comigo?
O que alivia o nó? Dar vasão às lágrimas ou sair saltitando pela casa?
E assim ele vai se apresentando e me apresentando a mim mesma...

Ahh.. então quer dizer que essa história de estudar intensamente a todo minuto livre disponível não dá certo?!..
Humm... pelo visto eu preciso muito interagir e extravazar, ler textos passionais, ouvir aquelas músicas de cantar junto com os olhos fechados e balançando as pernas.. conversar com os sereszinhos que eu realmente amo...
Preciso?
Preciso!

Legal! Esse é um dos nós que dá vontade de sorrir..
"Sua tolinha, tentou se enganar de novo é??!!
Hehe" ele me diz... "lembra de mim?!"

Lembro sim, querido!
Bem vindo de volta e obrigada!

E como eu imaginava, o título serve (claro que ia servir).
É isso, estuda, chora, briga, ri e segue assim... tudo ao mesmo tempo. Não dá pra fazer uma coisa de cada vez...

Suspiros entremeados a um sorriso bobo estampado no rosto...

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Alegria, alegria!


Sim está aí! Vocês estão vendo?! Eu estava errada!
Gostoso errar quando não se queria estar certa!
Está aí a quaresma, com toda força...
Cada um lidando com ela como pode, aos tropeços, com rigores,
com dores ou não, dando-se conta ou não...
Mas está tão lindo.
Está aí, a quaresma!
Acho que de hoje em diante vou começar a curtir bem mais o carnaval!
Alegria, alegria!! : )

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

O medo mora perto das idéias loucas

Eu quero ficar perto
De tudo que acho certo
Até o dia em que eu
Mudar de opinião

A minha experiência
Meu pacto com a ciência
Meu conhecimento
É minha distração...

Coisas que eu sei
Eu adivinho
Sem ninguém ter me contado

Coisas que eu sei
O meu rádio relógio
Mostra o tempo errado
Aperte o Play...



Eu gosto do meu quarto
Do meu desarrumado
Ninguém sabe mexer
Na minha confusão

É o meu ponto de vista
Não aceito turistas
Meu mundo tá fechado
Prá visitação...

Coisas que eu sei
O medo mora perto
Das idéias loucas

Coisas que eu sei
Se eu for eu vou assim
Não vou trocar de roupa
É minha lei...

Eu corto os meus dobrados
Acerto os meus pecados
Ninguém pergunta mais
Depois que eu já paguei

Eu vejo o filme em pausas
Eu imagino casas
Depois eu já nem lembro
Do que eu desenhei..

Coisas que eu sei
Não guardo mais agendas
No meu celular

Coisas que eu sei
Eu compro aparelhos
Que eu não sei usar
Eu já comprei...

As vezes dá preguiça
Na areia movediça
Quanto mais eu mexo
Mais afundo em mim

Eu moro num cenário
Do lado imaginário
Eu entro e saio sempre
Quando tô a fim...

Coisas que eu sei
As noites ficam claras
No raiar do dia

Coisas que eu sei
São coisas que antes
Eu somente não sabia...

domingo, 3 de fevereiro de 2008

Vinícius...

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço
- Meu tempo é quando.
(Vinícius de Moraes)


Este poema me foi apresentado por um querido amigo e me fez procurar a mensagem subliminar do texto... (sou péssima em captar estas criptografias poéticas).
Genialidade do autor à parte, as idéias deste poema desde então me tocaram...
Não tenho o deseprendimento de Vinícius para me identificar por completo com as idéias dos dois últimos parágrafos, mas vale a pena conferir esta análise do Dílson Catarino em http://www.gramaticaonline.com.br/gramaticaonline.asp?menu=5&cod=2

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Dualismo

As forças entre o bem e o mal, a desforra e o zelo, a repressão e a libertinagem, o centrado e o desenfreado, o amor e a orgia, ying-yang, flutuam. Ponto.
Fato maravilhosamente incontrolável do cotidiano, vivo.
Mas nessa época do ano, véspera de carnaval, parece que se estabelece um desequilíbrio assustador.
Assassinatos, roubos, sequestros, abuso de substâncias, acidentes de carro... aumentam. Estatística não comprovada, verdade, mas as reportagens estão no jornal de hoje, estavam no do ano passado... Pode-se sentir no ar... (eu sinto).
E por isso esta é uma das pouquíssimas fases do ano que eu penso de verdade em religião.
Afinal o carnaval é, teoricamente, um período simbólico de tolerância ao profano para preparação às privações da quaresma. "Adeus à carne" referem-se alguns autores à origem da palavra carnaval, ou "carne nada vale". Forma-se um forte inconsciente coletivo de permissividade.
Pois é, mas para onde foi a convergência do coletivo no momento reestabelecer o equilíbrio logo após??? Alguém se lembra mesmo o que é a quaresma? Alguém ainda pratica? Experiencia? - organização e meditação - uma reciclagem espiritual que deveria ser baseada em inspirações ricas sobre morte, sacrifícios e renascimento.
Talvez alguns poucos, mais iluminados, isoladamente...
Com certeza vou prestar mais atenção "no ar" nesta quaresma... quem sabe eu não tenha nem tentado me conectar com esta segunda parte de harmonização e ela realmente ocorra...
Me despeço sem muita esperança de que eu tenha me enganado,
Mas, estarei fazendo a minha parte... Boas Festas!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Alegria que encanta...

Povo brasileiro, povo em brasa, povo de abraços...
Gente de braços abertos, de peito que canta, que encanta,
Simplicidade que te convida para ficar, se envolver,
Vamos viver agora!
Não vá embora não, deixa o dia amanhecer...
Grupo de sertanejas em uma praça - Dez/07


segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

E o cotidiano?

O cotidiano é a matéria-prima do encantamento...

Aliança


União em ouro 18
Heavy metal clássico
Resistente, duradouro, maleável
Complexo atômico em harmonia

Intimidador é o padrão do ouro
Elitista, elitizado, elitizante
Eletrizante
Inquietante sua placidez

Sempre lá, lindo, estático
Presente, perene
Tão morto, reprimido, recatado
Movimentos quânticos educados

Não cicla, não reage, não ovula
Interage, interroga, interioriza?
Pois então não frutifica
Elejo aliança em anel do humor!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Nossa casa

Há dois anos chegar em casa era ir embora.
Que doce que é descobrir a sala de estar bem dentro de si.
Exatamente onde se escolheu para colocar o pilar de toda construção!
Feliz 2008 e boas casas para todos!!