Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 19 de junho de 2012

FIlmes Que Sempre Se Vê Mais Uma Vez - Não Necessariamente Nessa Ordem

Perfume de Mulher

Tropa de Elite

Uma Mente Brilhante

Matrix

Gênio Indomável

Duas Faces de Um Crime

Amigo Oculto

Sexto Sentido

A Vila

Dogville

Titanic

O Advogado do Diabo

Caçadores de Emoção

Click

Cidade dos Anjos

Dirty Dancing

A Vida é Bela

O Silêncio dos Inocentes

Lado a Lado

Em Seu Lugar

Efeito Borboleta

Sem Limites

Garota Interrompida

O Primeiro Mentiroso

Vanilla Sky

De Volta para o Futuro

Como Se Fosse a Primeira Vez

Don Juan de Marco

A Onda dos Sonhos (Blue Crush)

Um Amor de Tesouro

Lagoa Azul

Procurando Nemo

Seven

Sociedade dos Poetas Mortos

Outono em Paris

Eduard Mãos de Tesoura

Piratas do Caribe

Coraline

O Estranho Mundo de Jack

Alta Fidelidade

Alta Tensão

Os Miseráveis

Quebrando a Banca

Encontrando Forrester

O Juri

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Sentidos

Long story short: sinto falta dos CDs de músicas originais.
Me dei conta a pouco tempo de que por algum motivo eu tinha me conformado em ligar o rádio e sintonizar a Jovem Pam, ou na Pop Rock, ou ligar a tv no multishow e era só isso.
O mundo da música por algum motivo se encolheu em mim, perdeu um pouco dos seus encantos... e música sempre foi uma fonte de inspiração e de meditação pra mim.
Só então me dei conta de quanto faz falta
Das caixinhas que sempre quebravam e dos deliciosos folhetos com fotos dos artistas e com as letras das músicas impressas.
A pirataria e a internet afetaram em muito meu contato com a música.

A vida é uma edição da revista Contigo

"Um clichê (do francês cliché), chavão ou lugar-comum é uma expressão idiomática que de tão utilizada e repetida, desgastou-se e perdeu o sentido ou se tornou algo que gera uma reação má em vez de dar o efeito esperado."

Clichês têm bagagens enormes de sabedoria
e como toda verdade se repetem em diferentes ângulos.
Quando devidamente explorados vibram sua mensagem verdadeira na boca do estômago.





The Girl With No Name - Adaptado de Greys Anatomy

When you are a kid you always want things to stay the same. The same teacher,same house, same friends. Being an adult is no different.

Its one of those things people say; you cant move on until you let go of the past. Letting go is the easy part. Its the moving on that is painful.

The girl was kidnapped when she was 6yrs old and was kept captive;
She was abused; it's all over the x-rays.
Her name is Holly Wheeler, it was all over the news, she was in the grocery store with her mom as somebody just took her. It was the summer of 2000. She was 6 years old at the time. Except they weren't in the super market they were out side. Her mom bumped into a friend and they started talking about the block party they were having that weekend. Could she bring a salad, did they have enough desert already. And that's how long it took for her to realize that her child wasn't there anymore.

Holly spent her last 12 yrs with little to no control over anything in her life. Our job is to break that pattern by letting her know that she and she alone is in control here. Whatever she wants, she gets, including you.

Scene - parents meeting they daughter for the first time:
- You are still my perfect baby girl. Holly, I know its soon but I would like to hug you. Would that be OK? (Comment - WTF!?!?!)

Scene - doctor showing a photo album to the patient.
- This is, I think, your first day at school. Your sixth birthday, looks like thats where the bunny came from.
- They really think that this would work? Give me some photo albums, a stuffed animal and we'd be normal again?
- No, I think they are just trying to help you remember because you were only six.
- Oh, well, tell them that I remember all of it. My first day at school and my sixth birthday. Just like I remember the first time he made me take my clothes off. And how hard he kicked me when I didnt act like I liked it. Or how he's breath smells like cigarettes, how I could have gotten away a bunch of times, but every time I made it outside I could hear his voice inside my head - that they didnt want me; that I was dead to them. And the only reason that I finally got away was just because he said he was gonna take another girl, because I was too old, and used up and disgusting now. Tell them that.

Parents talking to the hospital staff:

- Holly is on a fragile state. She will need all of us to obey by her wishes. Even if that means giving her space.
- She's brain washed by him.
- Possibly, but she still has feelings of blame and resentment that she has to process. Right now you are still strangers to her.

Doctor Talking about the girl:

- She is talking more in therapy. Although she's not talking to her parents yet. I mean she was kept 5 miles (8Km) away from their house; and they didnt find her. You dont just get over something like that.


Girl attempting to buy food at the cafeteria:

- She looks terrified. Why are you so mean? Would you just go buy her some soup?
- No, its not mean. Shes going home soon and her therapist says she has to learn how to do things for herself.

 So sometimes we fight it, trying to keep things the same. Things cant stay the same though. At some point you just have to let go. Move on. Because no matter how painful it is, its the only way we grow.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Ai o amor...


Colcha de Retalhos


           Você que já esteve no céu foi tudo divertido pra você. Chega a hora então de provar tudo o que existe. Tire agora os sapatos jogue tudo pro alto, sinta o chão. Aprender a andar descalço num mundo de asfalto e sem coração até que o mundo gire ao seu redor. Vão falar que você não é nada, vão falar que você não tem casa, vão falar que você não merece, que anda bebendo, que está perdido. E não importa o que você dissese, isso seria desmentido. Vão falar que você usa drogas e diz coisas sem sentido. Se eu for ligar pro o que é que vão falar não faço nada.

            Disparo contra o sol o sol, sou forte sou por acaso, minha metralhadora cheia de mágoas. Eu sou um cara cansado de correr na direção contrária, sem pódio de chegada ou beijo de namorada. Eu sou mais um cara. Mas se você achar que eu estou derrotado, saiba que ainda estão rolando os dados, pois o tempo, o tempo não pára. Dias sim, dias não eu vou sobrevivendo sem um arranhão. Eu vejo o futuro repetir o passado, eu vejo um museu de grandes novidades.

                Shouldn't be so complicated, Just hold me and then; just hold me again. Can you help me, I'm bent. I'm so scared that I'll never get put back together. You're breaking me in and this is how we will end with you and me bent. If I couldn't sleep could you sleep, could you paint me better off? Could you sympathize with my needs? I know you think I need a lot. I started out clean but I'm jaded. Just phoning it in, just breaking the skin...

sexta-feira, 1 de junho de 2012

A felicidade possível e a Auto-Retaliação rotineira

Acabei de assistir um show de uma querida amiga genial que criou uma música, onde entre tantas verdades, ela diz - toda história é pra valer.

Toda história é pra valer, todo o movimento é história. É fato, é escolha, fica escrito, passa a fazer parte de nós. Reluto ainda com a idéia de "viver" ativamente quando não me sinto 100%, ou pelo menos 70%. E essa frase já muito ouvida por outros ângulos teve um peso sobre o meu peito adorável.

Toda, toda história é pra valer. Não importa se você ficou em casa ou rolou escada abaixo em uma boate. É pra valer. Não existe botão de pause. A primeira vez é sempre a última chance, já diria Renato Russo. Ficar escondida em casa de baixo do edredon é história. Só porque não há testemunha este capítulo nunca deixará de fazer parte da minha vida. Do presente e do passado. E então, quando eu parar para olhar para trás e ver que um terço da minha vida vivi em pause, vai ser tão, mas tão patético.

Nós temos o que somos e fazemos o que podemos. Se isto não for o bastante para ser feliz, deixa de ser uma felicidade possível. Ontem a tarde enquanto trabalhava recebi tanto elogios entusiasmados sobre a minha performance que ao invés de me alegrar... a primeira coisa que me ocorreu é que aquele ambiente de trabalho já não era desafiador o suficiente para mim. Rs. Pensamento doido esse. No momento exato de evitar qualquer lampejo de felicidade. Receita perfeita para uma vida cinza e tensa.

Obrigada Bruna por me dizer de uma forma linda algo que já havia entendido há muito tempo, mas nunca tinha levado tão a sério.

Enjoy yoursel; its latter then you think!