Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

No other way - Jack Johnson

When your mind is a mess
So is mine
I cant sleep
Cause it hurts when I think

My thoughts aren't at peace
With the plans that we make
Chances we take
They're not yours and not mine
There are waves that can break

All the words that we say
And the words that we mean
Words can fall short
Can't see the unseen
Cause the world is awake

For somebody's sake now,
please close your eyes woman
Please get some sleep

And know that if I knew
All of the answers I would not
Hold them from you
It´s one of the things that I know
Cause we told each other,
there is no other way

Well too much silence can be misleading
You're drifting I can hear it in the way that your breathing
We don't really need to find reason
Cause out the same door that it came on well its leaving its leaving

Leaving like a day that's done and part of a season
Resolved. Is just a concept that's as dead as the leaves
But at least we can sleep, its all that we need
When we wake we will find
Our minds will be free to go to sleep

And know that if I knew
All of the answers I would not
Hold them from you
It´s one of the things that I know
Cause we told each other,
there is no other way

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Processos

Só agora faz sentido que eu tenha me recolhido de interações.
Meus processos são demorados.
Curtidos, compridos, e cumpridos.

Escorpianina imersa no mundo de água.
Fluida, forte, turbulenta, estonteante e perseverante.
"Água mole e pedra dura...".

Se me solicitam no meio do caminho eu saio molhada,
com a visão embaçada pela água
envolta por uma camada do mundo de lá...

A pele úmida fica sensível - ao toque, ao vento.
A autopercepção incômoda,
vendo minha imagem encharcada - inadequada,
Mulher das cavernas.

Um tempinho no vento e eu seco e tudo bem;
mas às vezes, talvez
eu simplesmente não queira interromper.
E aquele instinto que tateia no escuro
me dá pistas de que estou 'cansada'

Outra pista que eu com frequencia aparece
é a idéia do "ahh, não vale a pena".
Qual era pena eu nunca tinha descoberto,
mas a pena é essa:
pelo menos algumas das vezes
interromper o processo!

Cool stuff!! Hot stuff actually! Warm cozy fuzzy stuff even : )

Em Jato

"Não pense que a cabeça aguenta se você parar."

Tenho pensado em ter filho ou filhos mais frequentemente e por mais motivos. E pelo gancho que atravessou meu peito neste exato instante, acho que acabei de descobrir exatamente o porquê.
Enxergar o espaço em si para aplicar o que se aprendeu na vida até então, sendo mulher e aos 28 anos, no plano concreto tem uma solução óbvia: produzir um filho. Rs... agora soa engraçado... Quase como ir ao mercado providenciar um recipiente novo para colocar a bagagem, organizar as quinquilharias, transformar ingredientes em um produto. Reciclar. (coitada da criança!)
Mas não é isso. Encontrar o espaço dentro de si para poder reverberar é finalmente tocar com a ponta dos dedos a linha que separa a filha da mulher.
Deus do céu... 28 anos para conseguir acreditar com todas as forças no que minhas entranhas me dizem. É lindo na verdade. Precisei pensar que se eu tivesse um filho no mundo a quem eu amasse com toda minha capacidade eu não iria deixar de avisar a ele ou a ela isto: se você não estiver envolvido com corpo/mente/alma em qualquer coisa que seja você fica perdido; se envolva a fundo, não importa muito com o quê. Por que de todo o coração eu acho que saber disso facilita a vida. Para poder me dar conta de que o recado é pra mim.
Não que eu não tenha seguido meus instintos antes ou pensado por mim mesma. Mas essa experiência é diferente. Antes era como se tateasse no escuro, com medo de pôr a mão onde não devia e me queimar. Agora é como se eu tivesse me colocado no colo, ouvido meus pesares, ponderado, passado a mão nos meu cabelos, me aninhado no peito e de uma forma aconchegante dissesse confiante: "sabe, quando a gente está numa situação assim...".
Maternagem interna. Bem vinda, fique à vontade!